Informações sobre o livro: Uma janela para a Vida de Jane Goodall

Pequeno resumo do trabalho de Jane Goodall

• Passou 30 anos estudando os chimpazes no Parque Nacional de Gombe.

• As características de um animal em geral é 50% genético e 50% absorvido de apreendizado durante a vida.

• A Jane começou o trabalho sozinha, sendo que contou com a ajuda do futuro marido, sendo mais tarde montado um centro de pesquisa em Gombe, onde recebiam estágiários para estudar os chimpazes e babuínos.

• Quando nasceu o filho, ela abandonou o trabalho prático de observação de campo.

• Foram feitas muitas criticas ao trabalho dela, inclusive citando que ela fabricava resultados falsos.

• Havia um sistema de segurança rígido no centro de pesquisa para evitar os ataques dos babuínos átras de comida.

• No começo ela achava que os chimpazes eram mais legais e dóceis que os humanos, mas conforme o tempo passou ela viu através da guerra intercomunitários e do canibalismo que os chimpazes poderiam ser tão mal como os humanos.

Informações e diferenças marcantes entre os Babuinos e Chimpazes

• Chimpazes e babuinos disputam comida.

• Chimpazes comem jovem babuinos.

• Os jovens das duas espécies brincam juntos.

• Jovens chimpazes fazem festas e tentam brincar com babuínos adultos.

• Eles entendem grande parte dos sinais de comunicações uns dos outros.

• Normalmente eles se ignoram quando se encontram.

• Chimpazes não sabem nadar.
• Babuinos sabem nadar.

• Chimpazes são mais intelectuais.
• Babuinos são mais adaptáveis.

Alimentação

• Chimpazes comem carne inclusive com registros de terem atacado e comido crianças humanas.

• Comem filhotes de babuinos e de macacos cólobos.

• Existe canibalismo entre eles.

• Matam as presas com um mordida no crânio.

• Período de seca é de junho a outubro e é quando ocorre os maiores conflitos pôr comida.

• Os Babuinos são onívoros.

• Babuinos não costumam caçar juntos ou dividir a presa apesar de diferentes estratégias reprodutivas.

Principais causas de morte.

• Hoje há em torno de 2.500 individuos eram mais de 10 mil.

• As comunidades da região da áfrica matavam chimpazé e cortava a cabeça fora provavelmente para utilização de rituais satânicos.

• São atingidos pôr epidemia.

• São capturados filhotes, sendo mortas as mães, esses são levados para uma aldeia nativa ou acampamento de traficantes, sendo amarrados e colocados dentro de uma caixa.

• Muitos indivíduos morrem por epidemia de pólio e infecções pôr fungos.

• Ficam viciados nas drogas aplicadas pelos donos.

Reprodução

• Com quatro anos param de mamar e depois do desmame os filhotes passam pôr um período de apátia.

• Ficam atraentes para reprodução com dez anos.

• As fêmeas tem a tendência de procurar machos de outros grupos, provavelmente para troca genética.

• Comportamento da mãe influi no comportamento dos filhotes, então existe uma individualidade no comportamento de cada individuo.

• Sinal da fêmea pronta para acasalar é o traseiro rosa, e a possibilidade de ficar prenha aumenta nos ultimos dias desse intumescimento.

• Possuem locais estabelecidos e preferidos para namoro e acasalamento.

• Os machos ficam calmos e tolerantes quando conseguem levar a Fêmea para sua área de acasalamento preferido.

• Quando a fêmea está cercada pôr machos e se for atraente, aumenta a tensão, sob essas condições a fêmea pode vir a Ter cópula com seis ou mais machos em dez min. Sendo até coberta 50 vezes em um periodo de doze horas.

• Período de gestação é de oito meses.

• A babuina prenhe sofre uma súbita mudança na cor do traseiro.

• Aparentemente a fêmea chimpazé prenhe não tem nenhum sinal aparente que está prenhe.

• Podem fazer até três lua de mel seguidas.

• Duas estratégias de acasalamento, sair com uma fêmea no auge da reprodução, ou pegar um fêmea no começo, bem pouco rosada.

• Os machos de escalão inferior costumam pegar fêmeas murchas, esperando que elas voltem para o estágio de intumescimento assim poderá ficar com ela á sua única disposição, o dificil é convecer a fêmea a ir com ele, já que ela não esta com aptide sexual.

• Podem Ter filhos gêmeos é bem raro.

• Pode ocorrer de filhos tentarem copular com as mães mas é raro de acontecer.

Hierarquia

• Lider da comunidade chama-se alfa, e fica em torno de seis anos nessa posição, mas não existe tempo determinado.

• Alfa: estrela principal de uma costelação e os naturalistas designam o animal líder de qualquer bando ou manada.

• A dominância do grupo vem através do ritual diário, de quebra galhos, eriçar pelos etc.

• Alfa tem a preferência pelas fêmeas desejada e pelo melhores pontos de comida.

• Mantem uma harmônia social no grupo, pode ser medo de perder o cargo ou pôr pena do mais fraco.

• Fazem ferramentas para pegar formigas, partem um ramo comprido e reto de um arbusto, arranca as ramificações laterais e retira a casca.

• Reconhecem os indivíduos pôr seu odor característicos.

• Não existe uma fronteira visivel entre os grupos de chimpazes normalmente existe uma grande zona neutra.

• As fêmeas vizinhas são mais atacadas do que machos vizinhos, não há ataques frontais entre os grupos o de menor número sai de fininho, quando estão em tamanho igual só ficam se enfrentando através de gritos, urros e gestos, o que mais importa é a quantidade de machos adultos.

• Entram na hierarquia dos machos adultos mais ou menos com 15 anos.

Relação com o ser humano

• Sistema nervoso central e estrutura do cérebro é semelhante ao humano.

• Sabem distinguir entre machos e fêmeas humanos, respeitam mais os homens do que as mulheres.

• O que separa homem \ chimpaze é a capacidade da comunicação falada.

• A guerra é seletiva, deixando os mais preparados, ai está a grande diferença entre humanos e outros grupos, grupos de hominídeos com cérebro inferiores não tinham como ganhar guerras e foram exterminados.

• Com o desenvolvimento de cérebros mais complexos, o período de dependências na infância foi se alongando.

• Na tanzânia não come-se e caça-se chimpazes.

• Em laboratórios estudos realizados mostram que os chimpazés aprendem com facilidade os gestos de sinais dos surdos e mudos, mas não conseguem aprender a falar, sendo que um chimpaze pode aumentar o vocabulário apreendido pôr conta de si.