Adolescente desaparece no mar da Praia Branca em SP

Um adolescente de 16 anos desapareceu hoje de manhã no mar da Praia Branca, no Guarujá, na Baixada Santista. Ele mora em Santos e foi até o local com uma excursão da escola estadual Neves Prado Monteiro, da Zona Noroeste, em Santos.

Corpo de Bombeiros informou que o jovem e um colega de 15 anos separaram-se do grupo de 48 alunos, sem que ninguém percebesse, e entraram no mar. "Não era uma excursão com motivo recreativo, vieram para estudar a vegetação, tanto que estavam com o professor de Ciências", disse o tenente do Corpo de Bombeiros João Batista Rapaci.

Os moradores da praia conseguiram resgatar um dos meninos. A Praia Branca fica na reserva da Serra do Guararu, próxima da divisa com Bertioga. O tenente informou que o local é de difícil acesso e, apesar de ter o mar agitado, não tem salva-vidas por ser pouco freqüentado. "A ocorrência foi às 10h50 e o bote chegou 15 minutos depois", informou.

Seis homens, duas embarcações e uma viatura trabalham nas buscas, que deverão continuar até o anoitecer. Segundo Rapaci, o mar estava agitado e a previsão era de que as condições ainda piorassem, dificultando o trabalho dos bombeiros.

A Praia Branca fica na reserva ambiental da Serra do Guararu. O acesso ao local é feito somente por trilha ou barco.

Esse caso mostra que atividades de estudo do meio, devem ser organizadas e realizadas por profissionais especializados e capacitados, tirar um aluno da escola é uma responsabilidade muito grande e requer uma série de procedimentos.

Em primeiro lugar é necessário ter o acompanhamento de um profissional que conheça as regras para realização de uma atividade como essa, mais que o professor seja competente é diferente dar uma aula dentro da sala e fazer uma atividade de estudo do meio.

Primeiro deve-se observar o número de alunos que serão levados ao estudo do meio e observar se o local comporta esse número e se existe uma quantidade de pessoas suficiente para cuidar da segurança, uma boa atividade deve ter em torno de 20 pessoas, para que todas participem sem ocorrer uma dispersão da atividade, posteriormente deve-se orientar os alunos sobre as medidas de segurança e regras de conduta no local e para isso é necessário conhecer muito bem o local, precisa-se ter conhecimentos de primeiros socorros e um plano de emergência em caso de acidente.

O fato de um profissional ser um biólogo ou ser formado em uma área próxima não o capacita a desenvolver atividade educativas, pedagógicas de estudo do meio e educação ambiental, mas sim a experiência e o seu conhecimento são fundamentais para o desenvolvimento de uma atividade eficiente e segura.

Toda escola deveria ter um profissional contratado para unicamente cuidar da logística dessas atividades e não jogar toda a responsabilidade em cima do professor (a) da escola que em muitas vezes não está preparado para cuidar de toda a logística necessária.

Mais informações:
http://noticias.uol.com.br/ultnot/agencia/2008/11/11/ult4469u33067.jhtm

http://atribunadigital.globo.com/bn_conteudo.asp?cod=383725&opr=81