Redação de Mary Clea Ziu Lem Gun

warning: Creating default object from empty value in /home/ademirguerreiro/ademirguerreiro.net/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc on line 34.

Redação de Mary Clea Ziu Lem Gun, Barueri (SP).

Cidadania virtual

Assistimos hoje ao fenômeno da expansão das redes sociais no mundo virtual , um crescimento que ganha atenção por sua alta velocidade de propagação, trazendo como consequência, diferentes impactos para o nosso cotidiano. Assim, faz-se necessário um cuidado, uma cautelosa discussão a fim de encarar essa nova realidade com uma postura crítica e cidadã para então desfrutarmos dos benefícios que a globalização dos meios de comunicação pode nos oferecer.

A internet nos abre uma ampla porta de acesso aos mais variados fatos, verbetes, imagens, sons, gráficos etc. Um universo de informações de forma veloz e prática permitindo que cada vez mais pessoas, de diferentes partes do mundo, diversas idades e das mais variadas classes sociais, possam se conectar e fazer parte da grande rede virtual que integra nossa sociedade globalizada.

Dentro desse contexto as redes sociais simbolizam de forma eficiente e sintética como é o conviver no século XXI, como se estabelecem as relações sociais dentro da nossa sociedade pós-industrial, fortemente integrada ao mundo virtual .

Toda a comodidade que a rede virtual nos oferece é, no entanto, acompanhada pelo desafio de ponderar aquilo que se publica na internet, ficando evidente a instabilidade que existe na tênue linha entre o público e o privado. Afinal, a internet se constitui também como um ambiente social que à primeira vista pode trazer a falsa ideia de assegurar o anonimato. A fragilidade dessa suposição se dá na medida em que causas originadas no meio virtual podem sim trazer consequências para o mundo real . Crimes virtuais, processos jurídicos, disseminação de ideias, organização de manifestações são apenas alguns exemplos da integração que se faz entre o real e o virtual.

Para um bom uso da internet sem cair nas armadilhas que esse meio pode eventualmente nos apresentar, é necessária a construção da criticidade, o bom senso entre os usuários da rede, uma verdadeira educação capaz de estabelecer um equilíbrio entre os dois mundos, o real e o virtual. É papel de educar tanto das famílias, dos professores como da sociedade como um todo, só assim estaremos exercendo de forma plena nossa cidadania.

Comentários

A participante demonstra ter compreendido a proposta da redação e desenvolvido o tema dentro dos limites estruturais do texto dissertativo- -argumentativo. A redação organiza-se em quatro parágrafos. Na introdução (primeiro parágrafo), relaciona-se a expansão das redes sociais a impactos no cotidiano das pessoas.

Apresenta-se a tese a ser desenvolvida, de que é preciso uma postura crítica e cidadã para que as pessoas possam desfrutar dos benefícios da globalização oferecida pelos meios de comunicação. No desenvolvimento (segundo e terceiro parágrafos), apresentam-se os argumentos para analisar as redes sociais virtuais: os aspectos positivos são abordados no segundo parágrafo e os aspectos negativos, no terceiro. Na conclusão (quarto parágrafo), retomam-se as ideias explicitadas na introdução e apresenta-se a proposta de que é preciso, por meio da educação, desenvolver uma visão crítica sobre esse mundo virtual como uma das condições para o exercício pleno da cidadania.

A tese de que é preciso uma postura crítica e cidadã para que as pessoas possam desfrutar dos benefícios da globalização oferecida pelos meios de comunicação é justificada, pela participante, com base em argumentos positivos e negativos. Os positivos referem-se à constatação de que as redes sociais são uma porta de acesso a vários instrumentos de informação, permitem que pessoas de diferentes lugares se conectem e simbolizam o que é a convivência no século XXI – pautada pelo mundo virtual. Os argumentos negativos dizem respeito à existência de uma instabilidade na linha tênue que separa o público e o privado na internet, à falsa ideia de que a internet favorece o anonimato e à interferência do mundo real provocada pelo que ocorre no mundo virtual. Alguns exemplos dessa interferência são citados para fortalecer a argumentação.

No último parágrafo, identifica-se a proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos: pais, professores e sociedade devem investir no processo educacional para garantir visão crítica e bom senso dos usuários na relação entre o mundo real e o virtual, com o objetivo de atingir o exercício pleno da cidadania. Embora tenha sido pouco desenvolvida, a proposta é coerente com a tese apresentada no texto.

A redação apresenta encadeamento lógico das ideias e demonstra que a participante soube selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista: o tema é desenvolvido de forma coerente, os argumentos selecionados são consistentes e justificam a tese de que é preciso uma atitude reflexiva e crítica para diferenciar os aspectos positivos e os negativos. A conclusão retoma o que foi exposto nos primeiros parágrafos, e a proposta de intervenção é relacionada à tese apresentada na introdução do texto.

Do ponto de vista de sua estruturação, observa-se que a redação apresenta inúmeros recursos coesivos para dar continuidade ao texto, revelando que a participante demonstra conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários à construção da argumentação. O texto recorre a vários conectores responsáveis por expressar relações lógicas e promover o encadeamento textual. Por exemplo, no primeiro parágrafo, o advérbio “assim” introduz uma conclusão em relação à ideia apresentada na frase anterior. No terceiro parágrafo, a conjunção adversativa “no entanto” introduz uma oposição entre a ideia de “comodidade” e afirmação de que existe o “desafio de ponderar o que se publica na internet”. A seguir, o advérbio “afinal” funciona como operador argumentativo ao introduzir uma conclusão. Identifica-se a utilização de pronomes e de termos ou expressões de base nominal para retomar referentes do contexto anterior (exemplos:

“A fragilidade dessa suposição”, “ponderar aquilo que se publica na internet”, em que o pronome demonstrativo “aquilo” refere- se ao conteúdo da publicação na internet, expresso no primeiro parágrafo).

Divulgar conteúdo