Moluscos

warning: Creating default object from empty value in /home/ademirguerreiro/ademirguerreiro.net/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc on line 34.

Conhecendo os Moluscos: Lula / 3° - 2011

A aluna Juliana tirando as suas dúvidas sobre a atividade.

Aprendendo sobre os Moluscos: Lula - 2011 / 3° ano

É explicado os procedimentos inicias, as medidas de segurança e é mostrado as estruturas externas com as suas respectivas funções.

Colégio Alexandre Herculano: Estudo da anatomia dos Moluscos (2011): Abertura do manto

  • Nessa parte da atividade os alunos estão cortando o manto para observação das estruturas internas.

 

Colégio Alexandre Herculano: Estudando a anatomia externa da Lula (2011)

  • Nessa parte da atividade os alunos estão recebendo as primeiras explicações sobre a anatomia externa da lula.
  • Observaram estruturas como os olhos, nadadeiras, manto, tentáculos, ventosas e o bico.

Colégio Alexandre Herculano: Cephalópodes (2011) Inicio da atividade

  • Os alunos estão preparados para o começo da atividade.
  • Já estão com as bandejas, luvas, bisturis, lulas e a ficha técnica para acompanhamento da atividade.

Estudo dos Moluscos

Aula de laboratório, onde os alunos estão estudando sobre os Moluscos.

Nesse grupo de estudo, as alunas Thayná, Leticia, Raquel e Andressa estão observando as características dos Cephalopodes.

Moluscos

Os membros do filo Moluscos estão entre os animais invertebrados mais evidentes e familiares e incluem formas tais como os mariscos, as ostras, as lulas, os polvos e os caramujos. Em abundância de espécies, os moluscos constituem o segundo maior filo só atrás dos artrópodes. Descreveram-se mais de 50.000 espécies vivas. São encontrados no mar, na água doce e na terra. São distinguidas por um pé muscular, uma concha calcária e uma rádula que nada mais é do que um órgão de alimentação.

Classe Gastrópode

É a maior classe de moluscos, descreveram-se cerca de 30.000 espécies existentes. A evolução da classe gastrópode envolveu quatro alterações importantes: maior cefalização, alongamento corporal dorsoventral, desenvolvimento de uma concha espiral assimétrica e torção. Todas as evidências indicam que a espiralização da concha precedeu a torção e relacionou-se provavelmente à conversão da concha de um escudo para um abrigo no qual o animal poderia recolher-se. Os gastrópodes vivos possuem conchas espirais assimétricas, que tem a vantagem da compactação sobre as conchas planoespirais e a maior resistência ao esmagamento.

A maioria dos gastrópodes move-se por meio de ondas de contração muscular que correm ao longo da extensão da larga superfície ventral do pé. Uma concha pode ser espiralada no sentido horário e anti-horário. Uma concha de gastrópode consiste tipicamente de quatro camadas. As camadas mais internas da concha consistem de carbonato de cálcio e a mais externa é geralmente prismática, ou seja, o mineral deposita-se como cristais verticais, circundado por uma matriz protéica fina. As camadas calcárias internas, geralmente duas e algumas vezes mais, depositam-se como lâminas (lamelas) em cima de uma matriz orgânica fina.

A cor da concha resulta dos pigmentos no perióstraco ou nas camadas calcárias. A concha fica aumentada pela adição de minerais provenientes da borda externa do manto nos lábios da abertura. Uma diferença constante na velocidade de deposição mineral ao longo dos lábios internos e externos resulta na espiral característica da concha. O crescimento geralmente não é contínuo e os intervalos podem ser frequentemente determinados pelas linhas de crescimento intervalar, como no bivalve, e pela escultura da superfície da concha. Na maioria dos gastrópodes, o crescimento da concha declina com a idade.

Classe Bivalvia

Abrangem animais como mariscos, as ostras e os mexilhões. São comprimidos nas laterais e possuem uma concha composta de duas valvas, encaixadas em dobradiça dorsalmente, que envolvem todo o corpo. O pé como o restante do corpo, é lateralmente comprimido. A cabeça é mal - desenvolvida. A cavidade do manto é a mais espaçosa do que qualquer classe de moluscos, e as brânquias são geralmente muito grandes, tendo assumido na maioria das espécies uma função de coleta de alimento além da realização de troca gasosa. A maioria dessas características representa modificações que permitiram aos bivalves tornaram-se escavadores de fundos macios, embora tenham invadidos outros habitat, as adaptações levaram os bivalves tão longe na rota da especialização que eles se tornaram predominantemente presos a uma existência sedentária.

Concha

Uma concha típica de bivalves consiste de duas valvas semelhantes, mais ou menos ovais e geralmente convexas, que se prendem e se articulam dorsalmente. As duas valvas prendem-se por meio de uma faixa protéica elástica e não calcificada, chamada de ligamento da dobradiça, que recoberta na parte de cima pelo perióstraco, podendo ser muito espesso ou muito fino, tem função importante na secreção da concha, protege da dissolução o carbonato de cálcio subjacente e pode contribuir para o selamento firme quando as bordas das valvas são trazidas juntas no fechamento As valvas da concha são puxadas juntas por meio de dois grandes músculos dorsais chamados de adutores, as cicatrizes nas superfícies internas das valvas indicam onde esses músculos se prendem.

As camadas calcárias podem ser formadas por aragonita (mais primitivas) ou uma mistura de aragonita com calcita. É o nácar que concede a superfície interna lustrosa a muitas conchas. As conchas dos bivalves exibem uma grande variedade de tamanhos, formas, esculturas de superfície e cores. Apesar da ligação do manto, ocasionalmente algum objeto estranho tal como um grão de areia ou um parasita aloja-se entre o manto e a concha, assim torna-se um núcleo que ao redor do qual se depositam camadas concêntricas de concha nacarada, assim formando-se uma pérola. As pérolas podem ser produzidas pela maioria dos moluscos com concha, mas somente os que possuem conchas com uma camada de nacarada interna produzem pérolas de valor comercial, as pérolas mais valiosas são produzidas pelas ostras-perlíferas que habitam a maior parte das áreas do pacífico.

Pena ou gládio

É uma concha encontrada nas lulas, que se reduziu a uma longa placa quitinosa achatada, sendo encontrada internamente, debaixo do manto. As lulas são moluscos pelágicos predadores com o pé dividido em braços musculares localizados ao redor da área bucal. A água bombeada através da cavidade do manto e retirada pôr um funil ventral fornece a força para a natação.

Conhecendo os animais: Aula divertida e educativa

  • Observe a atenção com que a criança escuta o eco feito pela concha, para ela é o barulho do mar.

  • Nessa atividade ela aprendeu que dentro da concha vive um animalzinho e que é um molusco.

Anatomia da lula

  • Explicações para a aluna Talita sobre as características anatômicas e biológicas da lula como reprodução, alimentação etc...

Anatomia da lula

  • Alunos do oitavo ano (2009) preparando-se para a aula de anatomia da lula.

  • Observaram estruturas como brânquias, pena, glândula de tinta, tentáculos, ventosas, bico etc...

Divulgar conteúdo