Mamíferos

warning: Creating default object from empty value in /home/ademirguerreiro/ademirguerreiro.net/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc on line 34.

Paleotoca

Algo encontrado só no continente da América do Sul, as Paleotocas são registros super interessantes da presença da megafauna como as preguiças gigantes ou tatu gigante.

Esses animais escavavam grandes espaços formando tuneis por onde transitavam, no sul do pais é onde encontram-se a maior quantidade dessas cavernas e agora na Amazônia estão descobrindo novas áreas.

Esses animais viveram nessa região antes de aparecerem as grandes florestas tropicais, são uma fauna que viveu na época das grandes savanas na América do Sul.

Mais informações

Baleia Fin

A baleia-comum (Balaenoptera physalus), também chamada de baleia-fin e rorqual-comum, é um mamífero marinho que pertence à família dos balenopterídeos, da ordem dos cetáceos. É o segundo maior animal existente, depois da baleia-azul, podendo atingir um comprimento de até 27 metros.

Longo e esguio, o corpo da baleia-comum é cinza-amarronzado e sua parte inferior é esbranquiçada. Existem ao menos duas subespécies distintas: a baleia-comum-do-norte, encontrada no Atlântico Norte, e a baleia-comum-antártica do Oceano Antártico. É encontrada em todos os principais oceanos, das águas polares às tropicais. A espécie está ausente somente nas águas próximas aos blocos de gelo dos pólos norte e sul e áreas relativamente pequenas de águas afastadas do alto mar. A maior densidade populacional da baleia-comum ocorre em águas frias e temperadas. Sua alimentação consiste de pequenos cardumes de peixe, lulas e crustáceos como os misidáceos e o krill.

Assim como todas as outras grandes baleias, a baleia-comum foi caçada em larga escala durante o século XX e está listada entre as espécies ameaçadas de extinção. A Comissão Baleeira Internacional (CBI) obteve uma moratória para a pesca comercial dessa baleia, embora países como a Islândia, Noruega e Japão ainda continuem a caça em determinadas épocas do ano. Para a temporada de 2008, o Japão tencionava matar aproximadamente 1.000 baleias — 850 baleias-minke, 50 baleias-comuns e 50 baleias-jubartes — mas esse número poderá ser menor em virtude de cortes financeiros provocados por protestos ambientais. A espécie também é caçada por aborígenes groenlandeses, através do programa de Pesca de Subsistência Aborígene comandado pela CBI. Em 2007, o programa matou 377 baleias, das quais 12 eram baleias-comuns. Colisões com navios e ruídos da atividade humana nos oceanos também constituem uma significante ameaça para a recuperação da espécie.

A baleia-comum é conhecida há muito tempo por taxonomistas. Ela foi primeiramente descrita por Frederik Martens em 1675 e, logo após, por Paul Dudley, em 1725. Essas descrições foram usadas como base para a Balaena physalus de Carolus Linnaeus (1758). O Conde de Lacépède a reclassificou como Balaenoptera physalus no começo do século XIX. O nome científico vem do grego physa, que significa soprar.

As baleias-comuns são da família dos rorquais, ou balenopterídeos, que incluem a baleia-jubarte, a baleia-azul, a baleia-de-bryde, a baleia-sei (ou baleia-boreal) e a baleia-minke. A família Balenopteridae divergiu das outras famílias da subordem Mysticeti no Mioceno Médio. Porém, não se sabe quando os membros dessa família divergiram uns dos outros. Pelo menos ocasionalmente, há hibridação entre a baleia-azul e a baleia-comum no Atlântico Norte e no Pacífico Norte.

Em 2006 haviam duas subespécies nomeadas, cada uma delas com diferentes características físicas e vocais. B. p. physalus (Linnaeus 1758), ou baleia-comum-do-norte, é encontrada no Atlântico Norte, e B. p. physalus (Fischer, 1829), ou baleia-comum-antártica, é encontrada no hemisfério Sul. A maioria dos cetologistas considera as baleias-comuns do Pacífico Norte como uma terceira subespécie ainda não nomeada. Em escala global, as três subespécies raramente se misturam.

 Descrição e Comportamento

 

 A baleia-comum é comumente caracterizada por seu grande tamanho e corpo esbelto. A média de tamanho dos machos e fêmeas da espécie

Lista de espécies de Mamíferos

Nome Popular: Mão pelada
Nome Cientifíco: Procyon cancrivorus
Família: Procyonidae
Ordem: Carnívora

Pode ser facilmente identificado pela máscara preta que desce dos olhos á base da mandíbula, pelos vários anéis escuros na cauda e a maior altura dos membros posteriores, as mãos são desprovidas de pêlos, o que originou o seu nome popular. Habita locais com vegetação cerrada e altas, nas proximidades, de rios, riachos, banhados, e lagos. Durante o dia fica em ocos de árvores, sob grandes raízes ou em tocas, a noite anda em lugares pantanosos na procura de alimento, o regime alimentar bem variado se constitui de substâncias de origem vegetal e animal, dando preferência a organismos aquáticos, que procura e segura com as mãos, apoiando-se nos membros posteriores, costuma lavar o alimento antes de come, a fêmea pode dar à luz de dois a quatro filhotes pôr cria.

Nome Popular: Lontra
Nome Cientifíco: Lontra longicaudis
Família: Mustelidae
Ordem: Carnivora

Todo o corpo é marrom pardacento, na garganta tem uma mancha mais clara, o pêlo é denso, os pés com membrana interdigital e a cauda um tanto achatada na extremidade, são utilizados na locomoção dentro da água. Rios e lagos são os lugares onde vive esta espécie, de hábitos noturnos, escava tocas nas barrancas para reproduzir-se e esconder-se durante o dia. Alimenta-se de Peixes, Moluscos, Crustáceos e Aves, a ninhada, em cada parição é de 2 a 4 filhotes. O comércio clandestino da pele de lontra é o fator que mais contribui para a extinção dos últimos exemplares de algumas populações remanescentes, existentes em lugares isolados do estado

Nome Popular: Suçuarana
Nome Cientifíco: Felis concolor
Família: Felidae
Ordem: Carnivora

Ocorre na maior parte do continente americano, caça desde pequenos roedores até mamíferos de grande porte, como capivaras e veados. Quando caça uma presa grande que não pode devorar totalmente no mesmo dia, procurar tapar o que restou com palhas e ramos do lugar onde está alimentando-se. A fêmea pode dar á luz de dois a quatro filhotes, que nascem em local bem escondido e são protegidos pela mãe, hoje está em processo de declínio de suas populações devido a caça para obtenção de pele, e por causa da provável morte de animais domésticos atacados pela suçuarana.

Nome Popular: Onça pintada
Nome Cientifíco: Panthera onca
Família: Felidae
Ordem: Carnivora

É o maior felino americano, a onça preta também recebe o nome popular de pantera, mas trata-se apenas de uma variação cromática de pelagem, vive em florestas úmidas, normalmente nas proximidades da água, alimenta-se de várias espécies animais, inclusive de capivaras e jacarés. Para caçar a presa, geralmente ataca por trás procurando atingir o pescoço e a cabeça no 1o golpe. Apesar de ser um felino muito temido pelo homem, não é perigoso, na aproximidade da presença humana, procura fugir, é atualmente uma espécie em extinção, hoje vivendo principalmente dentro de parques, como é um animal que necessita de uma grande área para poder sobreviver já houve casos de indivíduos saírem fora da área dos parques e então serem abatidos.

Nome Popular: Veado mateiro
Nome Cientifíco: Mazama americana
Família: Cervidae
Ordem: Artiodactyla

A cor geral é marrom avermelhada, podendo variar em tonalidades, os chifres são rugosos e possuem cerca de 12 cm de altura. A fêmea dá á luz um filhote pro cria. As atividades de alimentação são noturnas e crepusculares quando então pode sair para áreas abertas, já que prefere matas altas.

Nome Popular: Jaguatirica
Nome Cientifíco: Felis pardalis
Família: Felidae
Ordem: Carnívora

Dos felinos manchados que ocorrem no Brasil só perde, em tamanho, para a onça, vive em florestas densas, trepa com facilidade em grandes árvores para caçar ou esconde-se, refugia-se em ocos ou covas do pé de grandes troncos e em grutas, alimenta-se de aves e mamíferos de porte pequeno a médio inclusive de ouriço-cacheiro, está ameaçado de extinção devido principalmente pela caça por causa da pele e do medo da população que mora perto das áreas de ocorrência dessa espécie. É encontrada em todo o Brasil. A cauda pode atingir até trinta por cento do comprimento total, o pêlo é curto e abundante.
O corpo tem formas esbeltas, apesar da musculatura bem desenvolvida. A coloração geral de fundo, nas partes superiores do corpo, é amareladas. As manchas pretas são grandes e de formas variadas, ás vezes reunidas chegando a formar listras compridas, principalmente nas partes superiores, nas partes laterais tende a formar uma cadeia de manchas alongadas, no peito e na barriga a cor é esbranquiçada, as pernas são grossas com patas grandes. Nos lados do pescoço e porção anterior do corpo, existe uma tendência para a formação de listras, que em alguns exemplares, é bem distinta, cabeça grande e arredondado, focinho curto, olhos bem na frente da cabeça.
Na concepção humana, são perigosos, traiçoeiros e noviços sendo por isto caçados e abatidos como terríveis inimigos da humanidade, mas não apresentam no entanto, a nocividade que lhes é atribuída, os felideos é que deveriam considerar o homem a grande fera, por que este, já destruiu praticamente mais de dois terços das populações que existiam há 50 anos passados. São predadores terrestres especializados, possuem modificações especiais, o que lhes permite saltar com facilidade podem ser citados os membros anteriores curtos e posteriores mais longos, unhas retráteis e sola do pé adaptada para amortecer o choque contra o solo

Nome Popular: Bugio
Nome Cientifíco: Aloutta fusca
Família: Cebidae
Ordem: Primates

O pelame é longo com muita variação de coloração devido a diferenças individuais e de idade, os machos adultos apresentam a cor geral do marrom forte ao vermelho e as fêmeas variam do preto ao marrom avermelhados. Os membros locomotores são fortes e pouco compridos, possuem cauda prêensil, longa e peluda. São de hábitos sociais, vivendo geralmente em pequenos grupos, de ambos os sexos, várias idades e sempre são chefiados por um macho adulto. São de hábitos diurnos e crepusculares, alimentam-se de folhas, frutos, sementes e pequenos animais que conseguem capturar, os filhotes enquanto pequenos, andam agarrados nas costas da fêmea.

Nome Popular: Cateto
Nome Cientifíco: Tayassu tajacu
Família: Tayassuidae
Ordem: Artiodactyla

O corpo é marrom escuro, salpicado de branco, possui um tipo de colar branco amarelado, em frente às patas anteriores que possuem quatro dedos e três nas posteriores, na parte dorsal da cauda, possui uma glândula de cheiro que utiliza quando está irritado, a ninhada é geralmente de dois filhotes, preferem o crepúsculos para se alimentar e o seu território é de 5 km andam em pequenos grupos constituídos de adultos e jovens de ambos os sexos e o líder da vara é um macho velho, alimentam-se de vegetais principalmente frutos, mas comem também folhas, talos e raízes e ocasionalmente animais.

Nome Popular: Pontoporia
Nome Cientifíco: Pontoporia blainvillei
Família: Pontoporidae
Ordem: Cetacea

Ocorre em águas temperadas do litoral Sul Americano, na costa do Brasil chega até o Espirito Santo, aquática com dieta variada, Crustáceo, Cefalópodes e pequenos Peixes.

Nome Popular: Tucuxi ou Boto cinza
Nome Cientifico: Sotalia fluviatilis
Ordem: Cetacea

Nome Popular: Ouriço – cacheiro
Nome Cientifíco: Coendou villosus
Família: Erethizontidae
Ordem: Rodentia

O corpo é recoberto por espinhos e pêlos longos na região superior, os quais lhe dão uma coloração cinza amarelada. A cauda é recoberta com espinhos, com exceção da porção terminal que é nua e prêensil, na base desta, os espinhos são compridos e vão ficando mais curtos no sentido basal de modo que próximo à ponta, são bem pequenos. Neste roedor, os espinhos são um eficiente meio de defesa, quando é atacado procura encolhe-se, baixando o focinho, enroscando a ponta da cauda e eriçando os espinhos das costas e da cauda, à aproximação do inimigo, ele investe de costas, dando rabanadas laterais com a cauda, para acertar o adversário, porém sem lançar os espinhos como é crença popular. Os espinhos são córneos, a ponta é formada por pequenas escamas, justapostas, de modo que as extremidades ficam voltadas para a base do espinho. Quando este penetra na pele do inimigo, as escamas o prendem e os movimentos musculares puxam-no para o interior, se estes não forem arrancados logo penetram cada vez mais, São arborícolas, de matas e utilizam a cauda para lhe dar sustentação.

Nome Popular: Cutia
Nome Cientifico: Dasyprocta sp.
Família: Dasyproctidae
Ordem: Rodentia

São roedores de porte médio, podem ser encontradas em matos ou em capoeiras. Alimentam-se de frutos, sementes e vegetais suculentos encontrados no chão, escondem-se em tocas, principalmente em barrancos, sob raízes ou troncos ocos, deitados no solo. A ninhada é de dois a três filhotes que nascem em esconderijos escuros e bem protegidos, o modo como seguram o alimento, com os membros anteriores, sentados sobre as pernas posteriores, é muito gracioso. As cutias são muito caçadas pelo povo sendo atualmente raras e em vias de desaparecimento. Possui cabeça alongada, com orelhas pequenas, extremidades posteriores bem mais longas que as anteriores, pés anteriores com 5 dedos e os posteriores com 3 dedos.

Nome Popular: Morcego
Ordem: Chiroptera

Os morcegos são mamíferos que adquiriram a capacidade de voar, através de várias modificações estruturais do organismo, possuem cinco dedos nas extremidades locomotoras, os pés são muitos pequenos, com falanges curtas e unhas recurvadas próprias para enganchar. O sentido mais desenvolvido é a audição, responsável pela orientação no deslocamento. Emite ultrasons, que chocam-se contra obstáculos e voltam ao seu ouvido, dando a percepção da distância e da forma das coisas. As espécies que capturam insetos, emitem sons de muito maior energia e têm a capacidade auditiva superior aos demais. Dormem em pequenos ou grandes grupos, as fêmeas criam, em regra geral, um filhote por ano. Os filhotes, enquanto pequenos viajam agarrados à parte ventral das mães, podem ser classificados em frugívoros, nectívoros, piscívoros, onívoros, insetívoros e hematófogos.

Nome Popular: Tatu
Ordem: Edentata
Família: Dasypodidae

São mamíferos que existem somente no continente americano, apesar da ausência de dentes ser uma característica dos membros desta ordem, os tatus são portadores de dentes da série molar, porém sem a camada protetora externa de esmalte. Os tatus, com cerca de 20 espécies são animais adaptados para a vida no solo, como característica principal possuem a proteção de uma forte carapaça, formada por cintas e placas conectadas por uma pele grossa e córnea. Hábitos terrestres, procuram alimentos escavando o solo, utilizando as poderosas unhas dos dedos médios anteriores e refugiam-se em tocas.

Nome Popular: Porco do mato
Nome Cientifíco: Tayassu pecari
Familía: Tayassuidae
Ordem: Artiodactyla

Coberto de pêlos grossos e longos de cor preta, possui uma faixa de pêlos compridos que se eriçam quando está irritado, vive em matas densas e úmidas, alimenta-se de vegetais e animais, na busca dos alimentos fuça como os porcos domésticos, revirando a terra, troncos caídos, é de hábitos sociais, normalmente vivendo em grupos constituídos por machos e fêmeas, os machos velhos, normalmente ponteiam as varas. Possui na base da cauda, uma glândula que produz cheiro forte, quando está alarmado. São animais que não atacam o homem, quando assustados correm em grande velocidade em fila indiana e abrem caminho com a força do corpo ou a dentadas, este comportamento originou a crença de que são ferozes, pois podem causar acidentes a pessoas, durante sua fuga, enxergam pouco e ouvem bem, quando estão irritados, batem os dentes sendo essa uma batida seca dos dentes mandibulares contra os maxilares e pode ser escutada à distância e serve, geralmente para intimidar seus predadores.

Nome Popular: Capivara
Nome Cientifíco: Hydrochaeris hydrochaeris
Família: Hydrochaeridae
Ordem: Rodentia

Este é o maior roedor do mundo, corpo compacto, pernas curtas, sem cauda, a cabeça é grande com orelhas e olhos localizados bem no alto, o que facilita ao animal a permanência dentro da água. As ninhadas são de 4 a 6 filhotes, podendo chegar a oito. São roedores semi-áquatico de hábitos gregários que vivem em grupos pequenos, de ambos os sexos e diferentes idades. São de hábitos diurnos e noturnos, sendo as primeiras horas da manhã e últimas da tarde, as que ficam em maiores atividades. Quando assustadas mergulham, deixando apenas os olhos e as narinas foram da água, seus principais predadores são as onças e outros carnívoros. É facil de constatar a sua presença pelos montículos de fezes que depositam, possuem o hábito de roer ou se esfregar nos troncos das árvores. Vivem sempre á beira da água onde alimentam-se de vegetais, ou plantas aquáticas.

Nome Popular: Lobo Marinho
Nome Cientifíco: Arctocephalus tropicalis
Familía: Otariidae
Ordem: Carnivora

A cor geral é parda por cima do corpo e cinza amarelada nas partes de baixo, pés transformados em nadadeiras, focinho afilado e orelhas salientes, carnívoros, passam a maior parte do tempo dentro da água saindo para a terra durante o cio e o parto, alimentam-se de Peixes, Crustáceos e Moluscos do grupo dos Polvos e Lulas (Cephalópodas), no período de reprodução, os machos formam um harém em costas rochosas, após a cópula, voltam à água e cerca de um ano mais tarde, novamente nos mesmos locais, as fêmeas parem os filhotes. Durante o dia, machos e fêmeas vão para a água, ficando só os filhotes na terra, a noite as mães reúnem-se a seus filhos.
O centro de dispersão situa-se nas regiões frias do sul da América do Sul, são especializados para a vida marinha, extremidades transformadas em nadadeiras, possuem corpo forte e alongado, orelhas muito pequenas. São de hábitos gregários e vivem em água e terra. A pele é muito procurada pelo homem, devido á boa qualidade, no Uruguai e Argentina são abatidos milhares para fins de extração de pele, óleo, causando uma grande matança de indivíduos dessa espécies comprometendo a sobrevivência da espécie.

Nome Popular: Gambá de orelha preta
Nome Cientifico: Didelphis marsupialis
Família: Didelphidae
Ordem: Marsupialia

Vive em ambientes com matas altas e úmidas, possui o pavilhão auditivo totalmente preto, pelagem constituída de pêlos claros na base com pontas pretas é muito densa. Mamíferos considerado primitivo, cuja fêmeas, são possuidoras de uma dobra de pele abdominal, formando uma bolsa denominada Marsúpio, são providos de unhas nas quatro extremidades locomotoras e a maioria tem cauda preensil. Ocorre o nascimento prematuro dos filhotes, sendo que os fetos são parídos antes de suficientemente crescidos para enfrentar o mundo extra – uterino, não têm movimentos voluntários, assim são auxiliados pela mãe, encontram as tetas que estão dentro do marsúpio e aí permanecem presos, graças á músculos especiais existentes nos lábios, sendo o leite injetado na faringe por mecanismos especializados das glândulas mamarias.

Nome Popular: Coati ou quati
Nome Cientifíco: Nasua nasua
Família: Procyonidae
Ordem: Carnívora

São de hábitos sociais, vivendo em grupos de vários indivíduos, os machos velhos podem ser observados solitários, andam no chão e sobre as árvores, as principais atividades ocorrem durante o dia, mas á noite também se movimentam, comem vegetais e animais variados, utilizando o comprido focinho e o nariz que sendo muito flexível, é introduzido em buracos, sob cascas de árvores, no chão, ninhos etc. Para capturar e segurar o alimento utilizam as mãos. Os pêlos são abundantes e compridos, os membros anteriores são mais curtos e escuros que os posteriores.

Classe Mamíferos

Os Mamíferos surgiram rapidamente de sua origem a partir de répteis, na Era Mesozóica, são encontrados em quase todos os habitats existentes. Atualmente o número de espécies reconhecidas está em torno de 5.000.

Como grupo, os mamíferos distinguem-se de outros seres pela presença de glândulas mamarias, que fornecem alimento aos filhotes, presença de pêlos existe durante algum período da vida, são endotérmicos, sendo que controlam a temperatura do corpo internamente.

O maior mamífero é a Baleia azul Balaenoptera musculus que pode medir mais de 30 metros de comprimento e pesar até 150 toneladas e os menores mamíferos são os musaranhos pigmeus americanos e os musaranhos pigmeus de Savi na África e Ásia, possuem um peso corporal de pouco mais de duas gramas. A fauna brasileira abriga 483 espécies de mamíferos continentais e 41 marinhos, totalizando 524 espécies, reconhecendo-se oficialmente que 68 espécies e subespécies estão ameaçados de extinção e acredita-se que cerca de 25% de toda a fauna de mamíferos do Brasil se encontram sob ameaça de extinção.

Divulgar conteúdo