Isabela Carvalho Leme Vieira da Cruz

warning: Creating default object from empty value in /home/ademirguerreiro/ademirguerreiro.net/modules/taxonomy/taxonomy.pages.inc on line 34.

Redação de Isabela Carvalho Leme Vieira da Cruz, Rio de Janeiro (RJ).

Redação de Isabela Carvalho Leme Vieira da Cruz, Rio de Janeiro (RJ).

O fim do Grande Irmão

Câmeras que gravam qualquer movimento, telas transmitindo notícias a todo minuto, o Estado e a mídia controlando os cidadãos. O mundo idealizado por George Orwell em seu romance 1984, onde aparelhos denominados teletelas controlam os habitantes de Oceania vem se tornando realidade. Com a televisão e, principalmente, a internet, somos influenciados – para não dizer manipulados – todos os dias.

Tal influência ocorre, majoritariamente, através da mídia e da propaganda.

Com elas, padrões de vida são disseminados a uma velocidade assombrosa, fazendo a sociedade, muitas vezes privada de consciência crítica, absorvêlos e incorporá-los como ideais próprios.

Desse modo, deixamos de ter opinião particular para seguir os modelos ditados pelo computador, acreditando no que foi publicado, sem o devido questionamento da veracidade dos fatos apresentados.
Com isso, as novas redes sociais, surgidas nesse início do século XXI, se tornam os principais vetores da alienação cultural e social da população, uma vez que todos possuem um perfil virtual com acesso imensurável a todo o tipo de informações. Por isso, diversas empresas e personalidades se valem da criação de perfis próprios, atraindo diversos seguidores, aos quais impõe sua maneira de agir e pensar.

Esses usuários, então, se tornam mais vulneráveis e suscetíveis à manipulação virtual .

Outro ponto negativo dessas redes, como o Facebook e o Twitter, é o fato de todo o conteúdo publicado ficar armazenado na internet, permitindo a determinação do perfil dos usuários e a escolha da melhor maneira midiática de agir para conquistá-los. Além disso, o uso indiscriminado de tais perfis possibilita a veiculação de imagens ou arquivos difamadores, servindo como ferramenta política e social para aumentar a credibilidade de determinadas personalidades, como ocorre com Hugo Chaves em sua ditadura na Venezuela e comprometendo outras, com falsas denúncias, por exemplo.

Diante disso, é necessária a aplicação de medidas visando a um maior controle da internet. A implantação, na grade escolar brasileira, do estudo dessas novas tecnologias de informação, incluindo as redes sociais, e a, consequente, formação crítica dos brasileiros, seria um bom começo. Só assim, poderemos negar as previsões feitas por George Orwell e ter um futuro livre do controle e da alienação.

Comentários

A participante demonstra ter compreendido a proposta da redação e desenvolvido o tema dentro dos limites estruturais do texto dissertativo--argumentativo. A redação organiza-se em cinco parágrafos. Na introdução (primeiro parágrafo), refere-se ao mundo idealizado por George Orwell, na obra intitulada 1984, que apresenta o homem controlado pelo Estado por intermédio da tecnologia.

A seguir, apresenta-se a tese de que a internet é uma forma atual de manipulação das pessoas. No desenvolvimento (segundo, terceiro e quarto parágrafos), são apresentados os argumentos que comprovam a opinião negativa da participante sobre a ação das redes sociais. Na conclusão (quinto parágrafo), apresenta-se a proposta de se exercer maior controle sobre o uso da internet e implantar o estudo das novas tecnologias de informação na grade curricular das escolas, para uma formação mais crítica dos brasileiros, tendo em vista a construção de um futuro sem alienação e controle, o que negaria as previsões de G. Orwell.

A tese defendida pela participante é a de que a internet é uma forma atual de manipulação das pessoas, como o mundo idealizado por George Orwell na obra 1984. Os argumentos utilizados para defender a tese são os seguintes: o computador influencia na disseminação de determinados padrões de vida assumidos pelas pessoas sem consciência crítica; as redes sociais tornam-se agentes da alienação cultural e social da população suscetível à manipulação virtual; a divulgação pública dos hábitos e preferências dos usuários, devido à publicação de perfis, permite a difamação de uns ou a promoção de outros.

No último parágrafo, identifica-se a proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos: criação de medidas para maior controle da internet e implantação do estudo das novas tecnologias de informação na grade curricular das escolas, para uma formação mais crítica dos brasileiros, tendo em vista a construção de um futuro sem alienação e controle, o que negaria as previsões de G. Orwell. Embora tenha sido pouco desenvolvida, a proposta é coerente com a tese apresentada no texto.

A redação apresenta encadeamento lógico das ideias e demonstra que a participante soube selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista: o tema é desenvolvido de forma coerente, e os argumentos selecionados são consistentes e justificam a tese proposta, porque explicitam os fatores negativos identificados pela participante.

A conclusão retoma o que foi exposto nos primeiros parágrafos, e a proposta de intervenção é adequada à tese defendida, porque sugere uma formação mais crítica para os jovens e retoma a referência ao romance de Orwell.

Do ponto de vista da estruturação textual, observa-se que a redação apresenta inúmeros recursos coesivos para dar continuidade ao texto, revelando que a participante demonstra conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários à construção da argumentação. O texto recorre a vários conectores responsáveis por expressar relações lógicas e promover o encadeamento textual. Por exemplo, no terceiro parágrafo, a locução “uma vez que” estabelece relação de causalidade entre as redes sociais e a alienação cultural e social das pessoas. No quarto parágrafo, a conjunção “como” tem a função de introduzir a citação de um exemplo de utilização das redes como ferramenta política. Identifica-se a utilização de pronomes e de termos ou expressões de base nominal para retomar referentes do contexto anterior (exemplos: “Com elas, padrões de vida são disseminados a uma velocidade assombrosa, fazendo a sociedade, muitas vezes privada de consciência crítica, absorvê-los e incorporá-los como ideais próprios.”). Esse recurso aparece também na relação entre parágrafos, para garantir a continuidade textual: “Tal influência ocorre”; “Com isso, as novas redes sociais”; “Outro ponto negativo dessas redes”; “Diante disso”.

Divulgar conteúdo